SUPER FM - A rádio que vive o vale

As duas faces do número 13

  Jabson Alexandre      segunda-feira, 23 Maio 2016     

Crônica Se tem um número que não sai de moda é o 13. Vira e mexe ele entra em nossa vida, algumas vezes de forma positiva, outras nem tanto. Quando eu era criança ouvia minha avó dizer com frequência que o 13 era sinal de mau agouro, coisa do capeta. “Sexta-feira 13? Deus me livre!” […]

Crônica

Se tem um número que não sai de moda é o 13. Vira e mexe ele entra em nossa vida, algumas vezes de forma positiva, outras nem tanto. Quando eu era criança ouvia minha avó dizer com frequência que o 13 era sinal de mau agouro, coisa do capeta. “Sexta-feira 13? Deus me livre!” – Vovó nem de casa saía. Na numerologia o 13 é considerado um número irregular, sinal de infortúnio. Não é raro ouvir histórias trágicas envolvendo o décimo terceiro numeral.

Mas como toda regra tem a sua exceção, para alguns, o 13 é sinônimo de sorte. No futebol o ex-técnico e jogador Zagalo enxergava o 13 em todo lugar – na camisa, na soma das letras do próximo adversário, na data de nascimento do jogador que iria decidir a partida, enfim, o 13 estava sempre no seu caminho e lhe trazia boas energias. Não sei se foi a matemática maluca de Zagalo que o fez enxergar tantos números 13 na sua vida, mas, a verdade é que o velho lobo conquistou muitos títulos no esporte envoltos nesta mística da numerologia.

426016-Sexta-feira-13-origem-02Ah! O número 13! Tão bondoso para uns e tão cruel com outros. Que o digam Lula e Dilma. O ex-presidente gozou de prestigio popular durante seus dois mandatos, regidos pela bandeira do 13, o número do seu partido. Já Dilma não teve a mesma sorte com a legenda. Golpeada com um processo de impeachment, ela jura que a culpa neste caso não foi do 13 e sim do 15, número do partido do seu vice que acabou assumindo o lugar dela na presidência da república.

O lançamento da pré-candidatura de Aderbal Manoel dos Santos á prefeito pelo PP, Partido progressista de São João Batista, aconteceu no dia 13 de maio, uma sexta-feira. Segundo o ex-prefeito, o número 13 lhe da sorte. Se isso é verdade, só no dia 2 de outubro para sabermos.

Estava eu terminando de escrever esta crônica quando olho para o relógio para não me perder no tempo – eram 9h04. Ops! Nove mais quatro dá 13! Bom, não que eu seja supersticioso, mas, só por garantia, resolvi esperar um pouco mais. Nova olhada no relógio – 9h05, agora sim! afinal, este texto é um trabalho de faculdade que vale nota e neste caso, para mim, pior do que o instável número 13, seria uma concreta e azarada nota zero.