SUPER FM - A rádio que vive o vale

Hospital fez 17 mil atendimentos e 300 cirurgias

Jonas Hames  Jonas Hames      quarta-feira, 11 outubro 2017      EM: SÃO JOÃO BATISTA - SAÚDE  

Em quatro meses o Hospital Monsenhor José Locks realizou 17 mil atendimentos, 300 procedimentos cirúrgicos e passou a ofertar 11 especialidades médicas e 18 tipos de exames. Os números foram comemorados pela Administração Municipal de São João Batista, em coletiva a imprensa na manhã desta quarta-feira (11). Os dados compreendem o período em que o […]

Em quatro meses o Hospital Monsenhor José Locks realizou 17 mil atendimentos, 300 procedimentos cirúrgicos e passou a ofertar 11 especialidades médicas e 18 tipos de exames. Os números foram comemorados pela Administração Municipal de São João Batista, em coletiva a imprensa na manhã desta quarta-feira (11). Os dados compreendem o período em que o Instituto Vidas assumiu a maior parte dos serviços ofertados na unidade hospitalar.

Do atendimento na recepção, plantão médico, especialidades médicas e exames, além de cirurgias de média complexidade foram terceirizados pelo município. De acordo com o prefeito Daniel Cândido, apesar da terceirização os custos de manutenção do Hospital não aumentaram. A prefeitura repassa e investe em média R$ 400 mil por mês. Ampliação na oferta de procedimentos e exames pelo Monsenhor também reduziram as filas de espera, e os transportes de pacientes para outras cidades.

Richard da Silva Choseki , presidente do Instituto, relatou durante a coletiva que agora o município contra com um cirurgião pediátrico.  “No estado somente quatro municípios oferecem. Em quatro meses foram feitas seis cirurgias em São João Batista”. Também participaram da coletiva o secretário de Saúde, Ademir Rover, o coordenador Administrativo do Vidas, João Paulo Barbosa e o deputado Estadual, Serafim Venzon.

Para o prefeito Daniel Cândido, a decisão de terceirizar os serviços do Monsenhor, tem se mostrado acertada. Ele citou como exemplo o exame de Colonoscopia, que o SUS oferece apenas uma por mês para São João Batista, mas como o Instituto em quatro meses já foram realizadas 40. “Só chegaríamos [a esse número] com o SUS, após 40 meses”, disse. Cândido informou ainda que muitas gavetas com as solicitações de consultas e exames ficaram vazias ou diminuíram consideravelmente.

“Não teria como esperarmos pelo sistema, que oferece muito pouco do que a demanda que temos”, disse o secretário Ademir Rover.  Ele descreveu que estão muitos felizes com a otimização dos serviços e com a cidade podendo ofertar mais especialidades. Ainda assim, o município deve seguir estimulando a população a utilizar os Postos de Saúde, que estão na base do atendimento em saúde, já que muitos casos que chegam ao hospital poderiam ser resolvidas na unidade do bairro.

O Instituto Vidas, que assumiu o comando dos atendimentos do Hospital Municipal, já atua em outros quatro hospitais no estado. Em Bombinhas o Vidas já atende a mais de quatro anos. Richard informou que antes de assumir em São João Batista, os pacientes da cidade precisavam utilizar o sistema de 34 municípios diferentes para resolver as questões de saúde.