SUPER FM - A rádio que vive o vale

Roseli, uma alfabetizadora com amor

Redação  Redação      quarta-feira, 7 março 2018      EM: MULHERES DO ANO - CIDADE  

Roseli Peixer Tomasini, 52 anos, é natural de São João Batista, é se declara uma apaixonada por educação. Alfabetizadora por amor, filha de Dimas Jerônimo Peixer e Iracema Silveira Peixer, ela conta que ambos foram grandes incentivadores da profissão tão valorosa e respeitosa. Ela é pedagoga, com especialização em Educação Infantil e Séries Iniciais. Formada […]

Roseli Peixer Tomasini, 52 anos, é natural de São João Batista, é se declara uma apaixonada por educação. Alfabetizadora por amor, filha de Dimas Jerônimo Peixer e Iracema Silveira Peixer, ela conta que ambos foram grandes incentivadores da profissão tão valorosa e respeitosa. Ela é pedagoga, com especialização em Educação Infantil e Séries Iniciais. Formada em Programação Neurolinguística (PNL) e Coach, pela International Association of NLP  – Institutes.

Iniciou na educação em fevereiro de 1986, como alfabetizadora, no então Grupo Escolar Alice da Silva Gomes. Ao longo desses 32 anos alfabetizou em média 1000 crianças em São João Batista. Trabalhou por dois anos como reeducadora de crianças que apresentavam dificuldades expressivas de aprendizagem.

No final dos anos 90, desacreditada do ensino através da cartilha, aventurou-se num método inovador de alfabetização, o Método Fônico, o que ensina através de sons vocais e que permite a criança construir a pronúncia completa da palavra. Esse método é hoje, utilizado em toda a rede municipal de ensino.

Foi diretora da Escola de Educação Básica Alice da Silva Gomes, e desenvolveu o Projeto ‘Viva a Leitura’ de incentivo à leitura onde o aluno tem acesso a bolsas com diferentes gêneros textuais. Junto ao projeto, criou o concurso ‘A importância da leitura em minha vida’ na modalidade de slogans, poemas e redações.

Desde janeiro de 2017 assumiu a Secretaria Educação de São João Batista, com o projeto de educação para cidade. Tem como meta tornar as escolas mais humanizadas, pois sabe que não se ensina e não se aprende para a escola, ensina-se para o mundo. “É preciso sentir e ver a educação acontecer nas atitudes de cada habitante, no atendente da loja, no servidor público, na dona de casa, no político, enfim, em todos os setores”, diz.

Roseli ainda completa que a educação se materializa na ação. Ela forma o cidadão na totalidade. Se isso acontecer positivamente, daí a escola está funcionando de forma humanizada “e então poderemos ser reconhecidos verdadeiramente como um município acolhedor”, afirma.

E por mais que tenha sonhos, Roseli tem verdadeira paixão pela alfabetização. E são com as frases escritas por ela, que podemos definir todo carinho e dedicação com os pequenos:

”Ali é o lugar onde os alunos te veem com 14 anos de idade.”

“É onde uma dor no braço eles dizem que é derrame, e ao mesmo tempo querem ser médicos quando crescerem,  para cuidar de você quando ficar velhinha.”

“É onde os chocolates de coco são surrupiados em casa e trazidos para a sala, porque descobriram que é o preferido da professora.”

“Onde mais você receberia um convite para uma viagem espacial? E ainda receber instruções para nunca tirar o capacete de astronauta para não ficar sem ar? Só numa classe de alfabetização!”

“Toda criança nasce boa! Não nos preocupemos com o mundo que vamos deixar para as crianças. A pergunta a fazer é: Que crianças queremos deixar para o mundo?”

Título Mulheres do Ano

O título Mulheres do Ano, que é a Resolução 02/2014 será entregue no dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher, às 19h30, no Centro Cultural Professora Maria Roselene Duarte Clemes. 15 mulheres receberão a honraria por se destacarem na cidade pelos serviços sociais, história de vida de lutas, superação ou por de alguma forma terem contribuído com relevantes serviços prestados a comunidade.